Menezes Advogados is a Brazilian business law firm of excellence that offers solutions to its clients that go beyond the legal vision. Our professionals are highly qualified to assist clients through modern strategies in various areas of Business Law.

Flávio Menezes
founding partner of Menezes Advogados

Clients we have helped

cliente
cliente
cliente
cliente
cliente
cliente

I am certain that many of the actions implemented by Flávio Menezes’ team will be translated into substantial gains for our market.

Jason Prass
CEO of FLEX NUTRITION

Medida Provisória 936 de 01-04-2020

Ref.: Medida Provisória 936 de 01/04/2020 – Decisão liminar do STF – Participação ativa do sindicato - Acordo individual para redução proporcional da jornada e salário e acordo individual para suspensão do contrato de trabalho. Prezados Senhores, Nos termos dos informes anteriores, temos que o Ministério da Economia do Governo Federal apresentou ao Poder Legislativo, a Medida Provisória 936 em 01/04/2020, instituindo o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, que consiste no;  - Pagamento de Benefício Emergencial;  - Redução proporcional de jornada e salários e a  - Suspensão temporária do contrato de trabalho. I – A COMPETENCIA PARA REGULAR A RELAÇÃO DE TRABALHO. A competência para editar normas reguladoras das relações de trabalho no âmbito de todo o país é do Governo Federal, tendo como parâmetro os direitos sociais assegurados na Constituição Federal e também, as normas contidas da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e em leis esparsas especificas sobre a matéria. Neste sentido, considerando o sistema normativo rígido existente no país, foram editadas a Lei nº 13.979 de 06/02/2020 e o Decreto Legislativo nº 6 de 06/03/2020, declarando o estado de calamidade pública e poderes especiais e transitórios aos órgãos de controle para estabelecerem medidas sanitárias para salvaguarda da população, sendo as principais delas o isolamento social e a quarentena. As Medidas Provisórias nº 927 de 22/03/2020 (parcialmente revogada pela MP nº 928 de 23/03/2020) e nº 936 de 01/04/2020, introduzem normas complementares visando a manutenção do emprego e da renda do trabalhador empregado, que não foram objeto da Lei 13.979 de 06/02/2020. No final do dia 06/04/2020, o ministro Ricardo Lewandowski, concedeu liminar à Ação Direta de Inconstitucionalidade ajuizada pelo Partido Rede Sustentabilidade em 02/04/2020 (Adin 6363), determinando que a melhor interpretação das disposições constitucionais que envolvem a matéria trabalhista constante da MP 936 de 01/04/2020, é aquela que impõe a participação ativa dos sindicatos na celebração dos acordos individuais por ventura firmados entre empregados x empregadores. II – DAS MATÉRIAS AFETAS AOS CONTRATOS DE TRABALHO  - Redução proporcional da jornada de trabalho e do salário; A Constituição Federal no seu artigo 7º, VI e XIII, prevê a possibilidade de redução proporcional de jornada e salário através de negociações contidas em Convenções Coletivas de Trabalho e ou Acordo Coletivo de Trabalho, inexistindo disposição legal sobre a matéria. Assim, diante da ausência de lei especifica que trata a matéria e o quanto disposto na Constituição Federal, a Medida Provisória 936 de 01/04/2020, tratou o assunto no seu artigo 7º na condição de redução proporcional da jornada e do salário por até 90 dias, através de acordo individual cujos percentuais de redução proporcional são 25%, 50% ou 70%. As Convenções Coletivas de Trabalho (CCT) e ou Acordos Coletivos de Trabalho (ACT), poderão estabelecer percentuais diversos para redução da jornada e do salário, condição esta que poderá impactar no pagamento do Benefício Emergencial nos seguintes termos; - Se inferior a 25% - não receberá o benefício - Se for entre 25% a 50% - receberá benefício de 25% - se for de entre 50% a 70% - receberá benefício de 50% e - Se for superior a 70% - receberá benefício de 70%.  - Suspensão temporária do contrato de trabalho. As causas que proporcionam a suspensão do contrato de trabalho são especificadas pela Consolidação das Leis do Trabalho e, em razão dessa especificidade, a matéria inicialmente tratada na MP 927, não logrou êxito e em seguida foi revogada, conforme exposto acima. Isto porque a suspensão do contrato de trabalho atinge as duas obrigações principais da relação de emprego, ou seja, se não houver a prestação dos serviços não há a obrigação de pagar os salários. Não havendo o pagamento dos salários, via de consequência, não há os recolhimentos de FGTS e INSS, bem como, a contagem do tempo de serviço para todos os fins, inclusive para efeito das férias e do 13º salário. Assim, a MP 936 de 01/04/2020, em razão do estado de calamidade pública introduz a possibilidade jurídica da suspensão temporária do contrato de trabalho por 60 dias, mediante acordo individual entre empregado x empregador e elenca outras condições. Ressalvando ainda que as empresas que declararam receita bruta no ano fiscal de 2019, superior a R$ 4.800.000,00 (quatro milhões e oitocentos mil reais), deverão pagar aos seus empregados ajuda compensatória de 30% da remuneração durante o período da suspensão temporária do contrato de trabalho.  Da intervenção dos Sindicatos. Nos termos do quanto apontado acima, no dia 02/04/2020 (quinta-feira), os termos desta legislação foram contestados no STF através da Adin 6363, notadamente no que tange a possibilidade de realização de acordo individuais entre empregado x empregador sem a participação dos sindicatos para aqueles considerados hipossuficientes (que percebem até 3 salários mínimos = R$ 3.135,00) e pelos hipersuficientes (trabalhadores com curso superior e remuneração igual/superior a R$ 12.203,00), sendo proferida no final do dia 06/04/2020 (segunda-feira), decisão liminar do Min. Ricardo Lewandowski, considerando que todos os acordos devam ser submetidos ao crivo dos Sindicatos para terem validade jurídica. Assim, todos os acordos firmados com os empregados visando a redução proporcional da jornada de trabalho e do salário e ou a suspensão do contrato de trabalho, deverão ser enviados à avaliação do sindicato, para terem validade jurídica, entendimento contrário do quanto esposado na Medida Provisória 936, inclusive para aqueles trabalhadores empregados que percebem até três salários mínimos (hipossuficiente), bem como, para o seguimento portadores de curso superior e remuneração superior a dobro do teto de contribuição previdenciária (hipersuficientes), ou seja, R$ 12.203,00. Os acordos individuais deverão ser encaminhados no prazo de 10 dias da celebração ao sindicato profissional, que deverá manifestar sua concordância com o quanto pactuado entre as partes do contrato de trabalho, sob pena de serem considerados nulos, caso a decisão liminar concedida nos autos da Ação Direta de Inconstitucionalidade pelo STF no dia 06/04/2020, seja confirmada quando do julgamento do mérito. III – DA CONCLUSÃO Neste sentido, a partir de 06/04/2020, a MP 936 de 01/04/2020, deverá ser aplicada segunda a interpretação contida na medida liminar concedida pelo STF nos autos da Adin 6363, que os sindicatos deverão ter participação ativa na formulação dos eventuais acordos para redução proporcional da jornada e do salários, bem como, na suspensão do contrato de trabalho independentemente do nível salarial do trabalhador empregador, até que o mérito seja apreciado pelo Plenário (pelos 11 ministros reunidos), sem data marcada para a realização da sessão virtual. Atenciosamente Luis Claudio
See more

MP 936 DE 01/04/2020 - PROGRAMA EMERGENCIAL DE MANUTENÇÃO DO EMPREGO E DA RENDA

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.

São Paulo, 02 de abril de 2020.

AOS

CLIENTES DA MENEZES ADVOGADOS

 

Ref.: MP nº 936 DE 01/04/2020 – INSTITUI O PROGRAMA EMERGENCIAL DE MANUTENÇÃO DO EMPREGO E DA RENDA PARA ENFRENTAMENTO DO ESTADO DE CALAMIDADE DECORRENTE DA PANDEMIA DO CORONAVIRUS (COVID-19).

Prezados Senhores,

A Medida Provisória 936 editada no final da noite 01/04/2020, o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, que consiste no;

  • - Pagamento de Benefício Emergencial;
  • - Redução proporcional de jornada e salários e a
  • - Suspensão temporária do contrato de trabalho.

I – A COMPETENCIA PARA REGULAR A RELAÇÃO DE TRABALHO.

Em outra oportunidade consignamos que a competência para editar normas  reguladoras das relações de trabalho no âmbito de todo o país é do Governo Federal, tendo como parâmetro os direitos sociais assegurados na Constituição Federal e as normas contidas da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e em leis esparsas especificas sobre a matéria.

Neste sentido, considerando o sistema normativo rígido existente no país, foram editadas a Lei nº 13.979 de 06/02/2020 e o Decreto Legislativo nº 6 de 06/03/2020, declarando o estado de calamidade pública e poderes especiais e transitórios aos órgãos de controle para estabelecerem medidas sanitárias para salvaguarda da população, sendo as principais delas o isolamento social e a quarentena.

As Medidas Provisórias nº 927 de 22/03/2020 (parcialmente revogada pela MP nº 928 de 23/03/2020) e nº 936 de 01/04/2020, introduzem normas complementares visando a manutenção do emprego e da renda do trabalhador empregado, que não foram objeto da Lei 13.979 de 06/02/2020.

II – DO PAGAMENTO DO BENEFÍCIO EMERGENCIAL

A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 936, instituiu o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e Renda, a ser pago ao trabalhador empregado quando houver a (I) redução proporcional de jornada de trabalho e salário e (II) suspensão temporária do contrato de trabalho, e que serão custeados com recursos da União.

As empresas deverão informar ao Ministério da Economia a adoção das medidas supramencionadas no prazo de 10 dias da celebração dos acordos individuais e ou coletivos e partir daí, pelos critérios lá previstos, realizará a quitação do benefício aos trabalhadores eleitos.

O Ministério da Economia também disciplinará a transmissão das informações e comunicações pelos empregadores e a concessão e pagamento dos benefícios que terá como parâmetro a legislação do Seguro Desemprego.

No presente trabalho daremos foco aos tópicos relativos aos contratos de trabalho, vez que a quitação do benefício emergencial é obrigação da União.

III – DA VIGENCIA E EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 936 DE 01/04/2020.

A MP 936 tem vigência a partir da sua publicação e os acordos individuais e coletivos eventualmente firmados a partir das respectivas datas em que foram celebrados.

Assim, não tem efeito retroativo, tampouco, acolhe acordos individuais e coletivos  anteriormente pactuados anteriormente à sua vigência.

Neste sentido, o § 3º, IV do art. 11 da MP 936, é expresso quando dispõe que as CCT/ACT celebrados anteriormente, terão o prazo de 10 para se adequarem aos seus termos e terão vigência a partir dessa adequação.

IV – DAS MATÉRIAS AFETAS AOS CONTRATOS DE TRABALHO

  • - Redução proporcional da jornada de trabalho e do salário;

A Constituição Federal no seu artigo 7º, VI, prevê a possibilidade de redução salarial através de negociações contidas em Convenções Coletivas de Trabalho e ou Acordo Coletivo de Trabalho, inexistindo disposição legal sobre a matéria.

Assim, diante da ausência de lei especifica que trata a matéria e o quanto disposto na Constituição Federal, a Medida Provisória 936 de 01/04/2020, tratou o assunto no seu artigo 7º na condição de redução proporcional da jornada e do salário por até 90 dias, através de acordo individual nos seguintes termos;

- Preservação do valor do salário hora de trabalho;

- A proposta do acordo individual escrito deverá ser enviada ao empregado pelo  empregador com antecedência mínima de 2 dias;

- Os percentuais de redução proporcional são 25%, 50% ou 70%.

As Convenções Coletivas de Trabalho (CCT) e ou Acordos Coletivos de Trabalho (ACT), poderão estabelecer percentuais diversos para redução da jornada e do salário, condição esta que poderá impactar no pagamento do Benefício Emergencial nos seguintes termos;

- Se inferior a 25%                       -                   não receberá o benefício

- Se for entre 25% a 50%            -                   receberá benefício de 25%

- se for de entre 50% a 70%       -                   receberá benefício de 50% e

- Se for superior a 70%               -                    receberá benefício de 70%.

  • - Suspensão temporária do contrato de trabalho.

As causas que proporcionam a suspensão do contrato de trabalho são especificadas pela Consolidação das Leis do Trabalho e, em razão dessa especificidade, a matéria inicialmente tratada na MP 927, não logrou êxito e em seguida foi revogada, conforme exposto acima.

Isto porque a suspensão do contrato de trabalho atinge as duas obrigações principais da relação de emprego, ou seja, se não houver a prestação dos serviços  não há a obrigação de pagar os salários.

Não havendo o pagamento dos salários, via de consequência, não há os recolhimentos de FGTS e INSS, bem como, a contagem do tempo de serviço para todos os fins, inclusive para efeito das férias e do 13º salário.

Assim, a MP 936 de 01/04/2020, em razão do estado de calamidade pública introduz a possibilidade jurídica da suspensão temporária do contrato de trabalho, mediante a observação das condições elencadas, quais sejam;

- Prazo máximo de 60 dias que poderá ser fracionado em dois períodos de até 30 dias cada;

- Através de acordo individual entre empregado e empregador;

- Manutenção dos benefícios (a MP não especifica) concedidos pelo empregador;

- No período de suspensão temporária do contrato de trabalho o empregado poderá recolher o INSS na condição de segurado facultativo.

A atribuição de qualquer atividade no período da suspensão temporária (teletrabalho, trabalho remoto e ou a distância), é considerada falta grave do empregador e descaracteriza a medida.

As empresas que declararam receita bruta no ano fiscal de 2019, superior a R$ 4.800.000,00 (quatro milhões e oitocentos mil reais), deverão pagar aos seus empregados ajuda compensatória de 30% da remuneração durante o período da suspensão temporária do contrato de trabalho.

  • Da ajuda compensatória.

A empresa que adotar o sistema de redução proporcional da jornada de trabalho e do salário e ou a suspensão temporária do contrato de trabalho poderá conceder aos empregados eleitos, ajuda compensatória em valor a ser previamente definido no acordo individual e ou coletivo que vier a ser firmado, cuja natureza é eminentemente indenizatória para todos os fins de direito.

  • Da garantia do emprego e ou estabilidade provisória.

Os empregados que acordarem a redução proporcional da jornada de trabalho e ou suspensão temporária do contrato de trabalho, gozarão de estabilidade provisória no emprego durante o evento e por igual período após a cessação do acordo e ou do estado de calamidade.

A rescisão imotivada dará direito à indenização compensatória relativa ao tempo restante de redução de jornada e do salário e ou da suspensão temporária do contrato de trabalho,  além daquelas ordinariamente previstas na legislação.

A rescisão contratual a pedido do empregado e ou por justa causa não enseja o pagamento da indenização compensatória supramencionada.

  • Da intervenção dos Sindicatos.

A MP 936 de 01/04/2020, expressamente impõe que sejam firmados os acordos individuais e coletivos para redução proporcional da jornada e do salário, bem como, a suspensão temporária do contrato de trabalho.

Os acordos individuais deverão ser encaminhados no prazo de 10 dias da celebração ao sindicato da categoria profissional, conforme artigo 11 da MP.

Também estabeleceu que acordos individuais ou de negociação coletiva para a percepção dos benefícios previstos no artigo 3º (pagamento do benefício emergencial), abrangem os trabalhadores que percebem salários igual ou inferior a R$ 3.150,00 ou  igual ou superior a R$ 12.202,12 (dobro do máximo valor de contribuição), conforme o disposto no artigo 12.

Os trabalhadores não abrangidos pelo caput deverão ter a implementação das medidas estabelecidas por Convenção ou Acordo Coletivo de Trabalho, ou seja, aqueles cujas remunerações de R$ 3.150,01 a R$ 12.202,11.

Exceção: Acordo individual para redução proporcional de jornada e salário de até 25% conforme previsto na alínea “a”, do Inciso III do artigo 7º da MP 936 de 01/04/2020, para todos indistintamente.

  • Da Fiscaliza do Trabalho

As eventuais irregularidades constatadas serão objeto de Auditoria dos Fiscais Auditores do Trabalho, que poderão aplicar multas nas medidas consideradas irregularidades, não havendo a aplicação do critério da dupla visita, ou seja, possibilidade de acerto da irregularidade.

V – DA CONCLUSÃO

É certo que a MP 936 de 01/04/2020, traz no seu bojo inúmeras questões que ainda serão objeto de regulamentação pelo Ministério da Fazenda, através de outros instrumentos legais e ou mesmo a edição de outras MP complementares, de modo a discussão sobre a matéria não se esgota nela.

De qualquer modo, permaneceremos á disposição para prestarmos quaisquer esclarecimentos que se fizerem necessários sobre o tema.

Atenciosamente

Luis Claudio

 

See more